Museu do dinheiro em 2066

Este artigo iria se chamar “os prós e os contras do banimento de dinheiro em espécie para o sucesso do Bitcoin”, porém decidi fazer num formato um pouco diferente.tumblr_oius0wblt11uo3k2so1_540

Eu costumo criticar os utilitaristas utópicos em ficar tentando prever o futuro, imaginando uma sociedade perfeita e ideal, botando a bola de cristal pra funcionar. Como se não bastasse ser bizarro tentar prever o futuro, essa bola de cristal parece ainda bem quebrada e imprecisa. Quando falamos de uma sociedade que rejeita a agressão física sempre surge questionamentos como: “isso não daria certo”, “e as estradas?”, “e as pessoas más?”, “pra isso funcionar todo mundo teria que ser bonzinho” etc. Especulações mediúnicas totalmente sem sentido.

Apesar disso decidi botar a minha bola de cristal pra funcionar. Então, vamos lá.

Nota importante: este post não foi patrocinado por nenhuma empresa.


Ano de 2066.

– Papai, papai.

– O que foi, filhote?

– Nesse museu da história do dinheiro diz que já tentaram banir o dinheiro de papel, lá por volta de 2020, uns 50 anos atrás, é verdade?

– É verdade, filhinho. O pior de tudo é que conseguiram. Esse dinheiro de papel que usamos hoje não tem nada a ver com o dinheiro de papel daquela época. Você acredita que cada país usava um tipo de papel diferente? Na verdade, uma moeda inteiramente diferente. Toda vez que a gente ia pra algum outro país tínhamos que converter essa moeda numa casa de câmbio.

– Sério papai? Como assim?

– Sério Sérgio. Na verdade, ainda tem papel moeda em alguns países, nem todos aboliram o tipo de dinheiro que se usava naquela época.

– Hmmmmm. E, se não era como o nosso dinheiro, como era então?

– Serginho, se eu contar você não vai acreditar. Primeiro que não era de plástico flexível como o nosso, era de papel mesmo, papel papel. Daí o nome “dinheiro de papel”, mesmo sendo de plástico. Também era conhecido como “dinheiro em espécie” ou “papel moeda”.

– Aahhhh! Agora faz sentido esse nome.

– Pois é! E, pasmem! O pior está por vir: era um papel impresso, sem circuito eletrônico nenhum. Não era um Opendime v6 com Bitcoin dentro. Era um papel só, sem nada dentro. Difícil de explicar.

– Como assim papai? Como era possível? Não tinha nada dentro? Só um papel? Como eles sabiam que não era falso? Qualquer um podia imprimir então?

– Na verdade eles inventaram algumas coisas na impressão, como relevo, marcas d’água etc. que dificultavam um pouco a falsificação sim, mas não impedia. Mas o problema é que o próprio governo da época, nessa época que existia governo, falsificava oficialmente o dinheiro, imprimindo cada vez mais e mais, descontroladamente, gerando uma coisa que se chama “inflação”. E só o governo podia imprimir; ele tinha o monopólio da impressão. Se alguém fosse pego imprimindo era multa e cadeia.

– Como assim? Tinha um negócio chamado “governo” que podia ficar imprimindo dinheiro? Então esse coiso eu deduzo que era bem rico? Então o mundo todo na verdade era bem rico, já que era só imprimir mais e mais?

– Não não, Sérgio. Não funciona assim. Se você imprime dinheiro, é uma forma de falsificação. Isso significa que quem tem o dinheiro guardado terá um dinheiro que vale um pouquinho menos. Quanto mais imprime, menos vale cada nota de dinheiro. Na prática, as coisas, produtos e serviços, ficavam mais caros. O preço de tudo começava a subir. Isso era a “inflação”.

– Ué. Então por que as pessoas deixavam isso acontecer?

– Então. As pessoas confiavam cegamente nesse coiso chamado “governo”. Era uma espécie de religião. As pessoas realmente ficavam cegas. Elas acreditavam que era necessário essa entidade máxima, uma espécie de deus pagão para que tudo “funcionasse”. Eles usavam bastante esse termo “precisa ser assim pra funcionar”, seja lá o que eles queriam dizer com isso. Esse governo envolvia rituais misteriosos, crenças, ameaças de violência física e violência propriamente dita para que fosse possível enganar e controlar tanta gente.

– Nossa! Ma… Mas… Não existia o dinheiro na forma digital, como hoje?

– Sim. A maioria do dinheiro era digital. Mas, acredite se quiser: era apenas um número num banco de dados num sistema central. O que tornava muito mais fácil ainda a falsificação. Bastava quem controlasse esse sistema adicionar uns zeros a mais. As pessoas realmente não tinham noção do que estava acontecendo. Elas realmente acreditavam que, se todos fossem no banco ao mesmo tempo trocar a forma digital por física, todos sairiam com uma nota física. Quando, na verdade, as notas físicas representavam apenas uma pequena parcela do montante todo.

– Como assim “central”, pai? Sério isso? E como alguém confiava num troço desses?

– Sério, bebê. Seríssimo. Também não sei. Eu mesmo, pra falar a verdade, quando tinha a sua idade, também não entendia direito o que acontecia. Eles eram bem convincentes. E aprendíamos desde pequeno a respeitá-los. Mas tudo mudou bem rápido, ainda bem!

– Tá bom. Mas como então o dinheiro de papel foi um dia banido e como depois chegamos ao dinheiro Opendime v6, da forma como é hoje? Uma nota de plástico flexível com um circuito eletrônico impresso que pode ser verificado com exatidão matemática?

– Tecnologia, né meu filho? Em 2009 um maluco chamado Satoshi Nakamoto descobriu o Bitcoin, uma forma de ter aquele banco de dados com os saldos distribuída e confiável, sem controle central. Foi aí então que por volta de 2016 aconteceram duas coisas quase simultâneas que contribuíram para tudo andar rápido:

1) os governos começaram a banir o papel moeda. Começou na Suécia, depois Índia, Venezuela, Austrália, China, e por aí foi. Na verdade, eles queriam mais controle, e um jeito mais fácil de falsificar. Mas isso foi um tiro no pé absurdo. As pessoas tem a necessidade de algo físico; elas acreditavam que podiam trocar a forma digital pela física a qualquer momento. Era isso que mantinha a fé de muita gente no dinheiro da época. Se você tira isso, você começa a fazer as pessoas questionar o que é realmente o dinheiro. A população mais pobre também não tinha acesso a contas bancárias, cartões etc. e o dinheiro de papel sempre se fez necessário em diversas situações. Sem contar as pessoas que propositalmente não queriam ser controladas e vigiadas pelo governo. – E um problema desse banimento na época era que o governo finalmente conseguiu uma boa desculpa para banir também o Bitcoin. Se o Bitcoin não podia ser banido porque papel moeda também era anônimo, agora que não existia mais nada oficialmente anônimo, o Bitcoin podia ser banido porque estaria fora do controle governamental.

2) um outro maluco chamado Rodolfo Novak, um brasileiro aliás, conseguiu materializar de forma definitiva o Bitcoin no Opendime v1. Aquilo foi um sonho! Transformar uma coisa puramente digital, que era o Bitcoin, numa coisa totalmente física. Parecia coisa de filme. Foi então que esse aparelhinho foi aprimorando, na versão 2, depois 3 até chegar na 6, da forma como é hoje. E, você também não vai acreditar, eu é que mandei um twitter para o Novak sugerindo que a próxima versão fosse de plástico flexível. Tudo bem que demorou bem mais do que eu gostaria, mas finalmente o futuro chegou!

– Ah! Entendiii! Pai, pai, agora me dá 100 Satoshis por favor pra eu comprar um cappuccino?

– Claro!

Tiro do bolso então duas notas de 50 Satoshis cada e entrego pro meu filho.

– Tome Serginho, vai tomar o seu cappuccino.

Enquanto isso abro meu tablet e compro a principal revista de Tokyo em formato digital por 1.000 Satoshis.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s