Investir ou recomendar altcoins é masoquismo

A não ser que o seu objetivo sincero e honesto seja destruir – em médio e longo prazo – ou atrasar o desenvolvimento do mundo crypto (dinheiro digital privado descentralizado) e também distorcer o seu propósito inicial, vou provar neste artigo que investir ou promover altcoins é puro masoquismo e, eu diria, até irresponsabilidade. Pretendo também rebater as propagandas mais comuns dos altbugs, e agora uma nova categoria: forkbugs.

Como shitcoins aparentam ser para os bitcoin bugs.

Fazia tempo que estava querendo escrever este artigo, pra encerrar de vez qualquer dúvida que alguém tenha eventualmente sobre o assunto. Muitos irão, de forma depreciativa, tachar-me de “Bitcoin maximalista” ou até mesmo de “xiita”, como chamou João Paulo de Oliveira em seu vídeo “[opinião] Devo investir em bitcoin cash?” aqueles que acreditam que o BCash é um ataque à rede do Bitcoin. Aliás, esse vídeo, e também muitos comentários bastante equivocados que andei vendo ultimamente nas comunidades de Bitcoin e crypto me motivaram a não adiar mais a escrita deste artigo, que se faz bastante necessária para a clarificação do óbvio diante de tanta propaganda infundada.

Consequências de um investimento

Antes de aprofundar no assunto, gostaria de explicar que nenhum investimento é inofensivo. Todo investimento, e toda troca, tem uma consequência. Essa consequência pode ser boa para si, mas pode ser ruim para o outro, ou pode ser ruim para todos em longo prazo, ou pode ser boa para todos, e assim por diante. Darei exemplos a seguir.

Entendendo isso, talvez fique mais clara a minha preocupação com o “investimento alheio” já que muitos irão argumentar: “o dinheiro é meu, eu faço o que quiser com ele” ou então a ladainha de que “isso é livre mercado, você é contra o livre mercado?”. Eu sou a favor do livre mercado, mas sou contra a ignorância e propagação de informações falsas. Sabendo que há uma responsabilidade envolvida, um investimento ou até uma comunicação influente deixa de ser algo aparentemente inócuo, como muitos gostariam que fosse, para uma ação que pode trazer sérias consequências em médio e longo prazo. Não só para si, mas para todos.

Toda troca entre qualquer produto, bem, ativo ou serviço sinaliza que cada parte envolvida considera, naquele momento, que a troca está sendo vantajosa para ela. Se isso não fosse verdade, a troca não ocorreria. Muitas variáveis influenciam no “preço” de cada coisa, entre elas: a procura e escassez (demanda e oferta), a preferência temporal, entre outras. Uma grande procura a um produto escasso faz com que o seu preço de mercado aumente.

O Fabuloso Queijo da Vaca Mimosa

Queijo da Vaca Mimosa

Imagine que João fabrica um queijo especial, com o leite da famosa “Vaca Mimosa”, e que sua produção é de apenas um queijo por mês, e o seu custo total de produção é de apenas R$ 3,00. E agora imagine que o único interessado no tal queijo da Vaca Mimosa é Paulo. Paulo oferece R$ 50,00 pelo queijo e, como não há mais nenhum interessado, João aceita, pega os R$ 50,00 e entrega o queijo. Paulo quer experimentar o queijo, e João visualiza fabricar mais 3 com o dinheiro recebido nos próximos três meses. Agora, imagine que além de Paulo, o Oliveira, o Eduardo, o Araújo, o Murilo e o Noguerol também querem experimentar o tal queijo. Afinal, é o famoso queijo da Vaca Mimosa. Paulo então oferece R$ 50,00, mas Oliveira oferece R$ 80,00, e o Eduardo R$ 100,00. Os outros desistem. É claro que, feliz da vida, João vai vender o queijo para o Eduardo. E assim se define o preço das coisas. Lembrando que, apesar de João não conseguir “consumir” os reais recebidos, ele está apostando que no futuro ele irá conseguir, com aqueles reais, produzir ainda mais queijos e até, quem sabe, aumentar sua capacidade de produção. Ao oferecer R$ 100,00 por um queijo, Eduardo está sinalizando ao mercado que aquele é o preço atual de mercado do queijo. Aparentemente um preço exorbitante por um queijo, porém se não fosse pago isso, provavelmente ele iria ficar sem experimentá-lo, pois o queijo é um só no mês e as pessoas interessadas são muitas. O interesse de Eduardo e sua disposição em desembolsar R$ 100,00 no queijo contribuíram para que o queijo de João ficasse ainda mais famoso. Agora, imagine que Paulo, que é pobre e não pode arcar com mais de R$ 50,00, quer o queijo de qualquer maneira, e não vê problema ético nenhum em inventar uma mentirinha (que pode até ser uma meia verdade) para denegrir o queijo de João e fazer com que a procura por ele diminua, dando uma oportunidade para ele comprar o queijo a um preço bem mais barato. Paulo então descobre que o queijo da “Vaca Mimosa” é um pouco mais calórico que um queijo comum. Pra ser mais convincente, Paulo afirma que fez testes com o queijo e descobriu que ele é 3x mais calórico que um queijo comum. Como a maioria das pessoas não vão atrás dos fatos, se Paulo é uma pessoa influente, o que ele disser seus seguidores irão acreditar. Depois de um mês seguido postando em seu twitter que o queijo da “Vaca Mimosa” é gordurento demais e faz mal pra saúde, Eduardo, natureba que é, perde o interesse pelo queijo, assim como Araújo e o Noguerol. O único que não acreditou nessa história foi o Murilo, pois ele sabe que, mesmo que fosse verdade, ser um pouco mais calórico não ia matar ninguém, e isso não diminui todas as qualidades do queijo. Agora, estão disputando no mercado apenas Murilo e o próprio Paulo. Mas Murilo não tem os R$ 50,00 que Paulo ofereceu, pode gastar só R$ 40,00. Dessa forma, Paulo leva o queijo por R$ 50,00.

Note que o Eduardo, ao oferecer R$ 100,00 pelo queijo, influenciou e sinalizou para o mercado que aquele era o valor do queijo. Eduardo não precisou dizer uma palavra. Da mesma forma, quando Eduardo perdeu o interesse, assim como os outros, eles deixaram de procurar o queijo e, também mesmo sem dizer uma palavra, influenciaram no seu preço. Já Paulo, que não podia influenciar investindo ou deixando de investir, usou sua grande influência para convencer os mais incautos. Ele também contribuiu para a alteração do preço final do queijo, mesmo que indiretamente. Poderíamos usar outro exemplo em que Paulo não estivesse diretamente interessado no queijo mas, por algum motivo qualquer, tem um interesse enorme em fazer com que o preço do queijo diminua, a ponto de não valer sua produção. Paulo poderia ser o fabricante de um queijo de pior qualidade, por exemplo, que seria concorrente direto de João. Ou ainda Paulo poderia ser um ferrenho defensor dos animais  interessado apenas em proteger a pobre Vaca Mimosa tão explorada no processo.

Outros exemplos bastante enfáticos

Investimento e influência podem não só afetar o preço das coisas como também outros fatores externos aos dos envolvidos na troca em si. Por exemplo, se alguém demanda pornografia infantil, faz com que o seu preço aumente no mercado, criando incentivos indiretos para “caçadores de recompensa” sem ética ou escrúpulos produzirem cada vez mais conteúdo. Aquele que acha que comprar pornografia infantil, ou incentivar o seu comércio, não traz consequências graves, acaba fazendo o papel de um idiota útil, contribuindo para um mundo muito pior e injusto.

Há também quem diga que entrar em esquema fraudulento de pirâmide é um “investimento”. Você investe X e pode sair com X+Y. Porém, a custas de quê? De enganar outras pessoas para entrar no esquema.

Agora que ficou bem claro que um investimento ou troca traz consequências e impacto no mercado como um todo, basta convencê-lo de que investir ou recomendar altcoins ou forks significa a auto-destruição e a tragédia dos comuns em longo prazo. Investir e recomendar alts significa atrasar ou até mesmo impossibilitar o principal propósito do dinheiro privado descentralizado: o de ser um ativo útil pra armazenar riqueza em longo prazo, livre das garras tiranas de governos ou quaisquer atacantes externos. Para que seja um ativo útil para armazenamento de riqueza, ele deve ser escasso, ter o poder de compra estável ou crescente, ser confiável e seguro. E existem algumas formas de contribuir para que o Bitcoin se torne cada vez mais útil: comprando e guardando, produzindo informação verdadeira e útil sobre o ativo, rejeitando alternativas e forks.

Quais são as consequências de investir em ou promover altcoins e forks?

ico

Quando falo “investir” não significa comprar um punhado de Dogecoins. Mas sim investir uma quantia significativa. Quanto mais, pior. Trocar sua Ferrari ou seu jatinho particular por Dogecoin certamente faria um estrago maior do que trocar aquelas moedinhas esquecidas em cima da sua mesa.

Possíveis consequências:

  • Mais volatilidade.
  • Menos escassez.
  • Menos segurança.
  • Menos inovação.
  • Mais desconfiança.
  • Menos liberdade.

Mais volatilidade

Ao investir em ou promover uma altcoin inédita, você contribui para que as outras cryptos que vieram antes tenham um menor marketcap. Um menor valor de mercado significa maior volatilidade, diminuindo a utilidade do ativo. Isso significa que todas as cryptos criadas depois do Bitcoin que receberam investimento significativo, fizeram com que o Bitcoin não atingisse seu potencial máximo de valor de mercado. Estima-se que, se todos os potenciais investidores crypto focassem no Bitcoin, ele poderia valer o dobro do que vale hoje e ter uma volatilidade bem menor. Quanto maior o valor de um ativo, mais difícil é mover o seu preço para cima ou para baixo.

Menos escassez

O Bitcoin surgiu inicialmente como o “The Digital Asset”™, ou seja, o único ativo descentralizado privado puramente digital disponível no mercado. Um dos motivos de sua criação foi o de ter uma oferta de moedas previsível e limitada para evitar a inflação, tão comum em moedas fiduciárias. No momento de sua criação, haviam 21 milhões de tokens digitais máximos possíveis (pra ser mais preciso são 2,1 quatrilhões de Satoshis, a menor unidade indivisível do Bitcoin). A primeira altcoin a ser criada, o Litecoin, foi criada 3 anos após a publicação do paper do Bitcoin. A partir de então, até os dias de hoje, já foram criadas centenas de alternativas (1.319 com valor maior que zero de mercado, pra ser mais exato, no momento da publicação). E, na prática, qualquer um pode criar uma moeda nova a qualquer momento apenas clonando uma existente ou criando um hard fork não consensual.

Apenas criar tokens novos não faz com que o “The Digital Asset”™ atual (que representa a soma de todas as cryptos existentes) se torne menos escasso, ou que esse novo token  tenha automaticamente algum valor de mercado. Mas, se o mercado dá qualquer atenção a esses novos tokens, aí sim eles efetivamente diminuem a escassez dos demais tokens existentes. O número absoluto pouco importa, o que importa é onde a riqueza está alocada. No momento da publicação deste artigo o Bitcoin representa aprox. 56% (aproximação bem grotesca, diga-se de passagem) e isso significa que é como se não existissem somente 21 milhões de moedas, mas sim 30,24 milhões. O mercado crypto alocou 44% de sua riqueza em tokens digitais que não são os 21 milhões inicialmente criados. O mercado foi inflado e inundado com shitcoins que, infelizmente, ganharam mais atenção do que deveriam.

Mas eu espero que, com o amadurecimento do mercado, os indivíduos consigam entender que investir em alts diminui a escassez do que já existe e voltem a alocar a grande maioria da riqueza no Bitcoin. Esse movimento de “volta” já está acontecendo. A menor fatia que o Bitcoin já chegou em relação ao mercado todo foi de aprox. 38%, e agora retornou para 56%.

Como comparativo dessa proporção, o ouro possui marketcap aprox. de 7,7 trilhões de dólares, enquanto o mercado de prata representa apenas 20% disso. Não é a toa que entre os metais preciosos, um deles se destacou ao longo da história e dominou mais de 70% da preferência desse mercado para a finalidade de armazenamento de riqueza em longo prazo.

Exemplificando melhor como isso acontece, vamos imaginar uma situação hipotética onde exista apenas o token A com 1.000 moedas no mercado de tokens. O mercado de tokens aloca então 100% de US$ 1.000,00 nesse token. Sendo assim, cada token vale US$ 1,00. O token B então é lançado, do nada, valendo US$ 0,00. Alguém decide então trocar 1 token A por 10 tokens B. O token B passa a valer então US$ 0,10, totalizando US$ 100 (todos os tokens B). Sendo assim, o mercado de tokens de US$ 1.000,00 passa ter alocado US$ 900,00 em A e US$ 100,00 em B. Note que A perdeu valor porque surgiu uma alternativa, uma concorrente direta, em que o mercado não desprezou.

Menos segurança

Eu já ouvi de altbugs que a proliferação de alts contribui para uma descentralização do mundo crypto. Essa visão está totalmente equivocada. Pelo contrário, uma nova alt que recebe atenção do mercado contribui para que todas as cryptos anteriores se tornem mais centralizadas e menos seguras. Esse tipo de descentralização é tudo que os governos tiranos querem. Já ouviu falar em “dividir para conquistar”? Uma forma muito eficiente de enfraquecer o inimigo é fortalecendo seus principais concorrentes.

Imagine o seguinte cenário: existem 300 nós de Bitcoin, 100 PHz de poder computacional direcionado à rede e 300 usuários. Imagine agora que a propaganda dos altbugs funcionou e o mercado diluiu toda a riqueza e atenção igualmente entre todas as 100 cryptos disponíveis. O resultado disso? 100 cryptos com 3 nós cada uma, com 1 PHz de poder computacional e 3 usuários cada. Qual cenário parece mais frágil? Obviamente o cenário das 100 cryptos igualmente fracas é catastrófico, seria o pior cenário possível. Seria muito fácil destruir as 100 cryptos com 3 nós, 1 PHz e 3 usuários cada do que 300 nós de uma crypto com 100 PHz e 300 usuários. Note que o Bitcoin já é de natureza descentralizada, portanto é correto afirmar que quanto mais nós, mais usuários, mais riqueza alocada, mais descentralizado e forte ele se torna. E é errado afirmar que realocar riqueza para alts gera algum tipo de descentralização. Pelo contrário, gera divisão e enfraquece todos.

Menos inovação

Talvez um dos principais argumentos dos altbugs é o de que as altcoins são necessárias para trazer inovação. Embora isso possa ser verdade, em parte, é necessário se atentar para dois fatos importantes: 1) a real inovação, ou seja, o abismo tecnológico, se deu na criação do Bitcoin. A alternativa para os que queriam fugir do controle e inflação estatal, ou seja, das velhas moedas fiduciárias, eram apenas o ouro e metais preciosos. Mas o Bitcoin surgiu para corrigir um bug importante do ouro. Essa é a inovação que importa e que realmente faz diferença na vida das pessoas. As inovações de alts, embora algumas realmente interessantes, não chegam nem perto do tamanho e importância da inovação do Bitcoin. 2) não é necessário que uma alt receba tanto investimento para que prove alguma possível inovação.

Muitas inovações importantes no Bitcoin, como soluções criativas em second layer, acabam sendo atrasadas devido ao desvio de foco e às promessas milagrosas de alts.

Mais desconfiança

Muitos altbugs argumentam que o Bitcoin é como o MySpace e será inevitavelmente superado por uma tecnologia melhor. Eles só esquecem que o Bitcoin não é uma rede social, mas sim um dinheiro. Imagine que, a cada mês, surgisse uma nova crypto que superasse tecnologicamente (mesmo que a inovação seja mínima ou irrelevante na prática, como é em 99,9% dos casos) e o mercado realocasse toda a sua riqueza para essa nova crypto, abandonando a anterior. Se isso fosse um fato e sempre acontecesse de forma recorrente, em qual crypto você investiria? Eu: em nenhuma, nem mesmo no Bitcoin.

Se eu soubesse que o mercado iria optar por uma outra alternativa no mês seguinte, eu jamais iria guardar alguma coisa sabendo que ela iria perder valor. Isso geraria desconfiança no mercado e criaria um efeito bola de neve em que, no fim, nenhuma crypto teria valor algum, ou nenhum valor relevante na economia mundial. Por esse motivo, a tradição do dinheiro, tão aplicada em ativos milenares como o ouro, é importante. Uma propriedade do dinheiro muito importante é a tradição e confiança. Não é a toa que o Bitcoin tem ainda somente 1% do mercado do ouro, mesmo sendo uma tecnologia muito superior e corrigindo um bug importantíssimo do ouro. E, sinceramente, duvido que o Bitcoin superará o ouro em valor de mercado enquanto eu ainda estiver vivo. Isso só é possível devido ao fator tradição.

Menos liberdade

Por fim, uma consequência inevitável de enfraquecer o Bitcoin é diminuir a liberdade individual. Muitos oportunistas que só querem pegar carona na tecnologia ou no preço do Bitcoin e gostariam muito de ignorar sua origem: fóruns cypherpunks. Sua definição inicial era a de um “papel moeda eletrônico”. Apesar de, em português, soar meio estranho, é exatamente isso: electronic cash, ou seja, uma analogia direta ao papel moeda, só que puramente digital.

Quem promove alts é inimigo da liberdade.

 

Toda altcoin é ruim? Altcoin não deveria existir?

Não, nem toda altcoin é prejudicial. Só não deveriam receber tanta atenção do mercado. A demanda de alts deveria sem bem menor do que é hoje. Seu valor está inflado por propagandas ostensivas e desonestas. Isso mudará com o tempo e educação.

Eu acho que é importante que existam algumas alternativas fortes no mercado como backup do Bitcoin. Assim como a prata foi um backup importante do ouro quando o governo dos EUA declarou guerra contra o ouro.

Uma vez, o Bitcoin ficou 6h “fora do ar” por conta de um hardfork involuntário. Até que  tudo voltasse ao normal, a rede sofreu uma instabilidade. Em momentos assim, ter algum Litecoin poderia ser útil.

Conclusão

Pare de comprar tanta altcoin e atrasar ainda mais a expansão do The Digital Asset™.

HODL!

Anúncios

Por que a “falta de governança” (ou imutabilidade) do Bitcoin não é um defeito mas sim uma qualidade?

Cryptomoeda (a junção de dinheiro + software) é algo novo e realmente é difícil determinar agora com exatidão (justamente por ser algo recente e não termos muito histórico para analisar) o que é mais vantajoso para armazenamento de riqueza em longo prazo: menos ou mais flexibilidade.

printable-monopoly-money_zps6p5avvk5

Já apenas dinheiro é algo velho. Mais velho que a múmia do faraó. E sabemos que quando se trata de dinheiro, a imutabilidade é uma característica muito importante; há regras importantes como o controle de oferta (taxa de inflação), por exemplo. Pode-se dizer que o dinheiro estatal é altamente mutável comparado ao ouro, porque suas regras de oferta mudam o tempo todo e é controlada pelo governo. E, mesmo o ouro, não é totalmente imutável se pensarmos que sua oferta pode ser de repente expandida por uma nova mina de ouro, um meteoro ou um hipotético ouro artificial. Pensando no Bitcoin apenas como dinheiro (esquecendo um pouco que ele também é software como dito anteriormente), ele é muito superior às cryptomoedas mais mutáveis, como uma que está tendo um pequeno hype na comunidade brasileira por conta de um marketing invasivo e exagerado. Afinal, essas moedas mais mutáveis podem, por exemplo, alterar a oferta ou alguma regra econômica importante sob a pressão de instituições externas, ou por puro interesse dos stakeholders em algum caso específico. Stakeholders podem também, por exemplo, reverter mais facilmente transações que eles considerem prejudiciais, assim como aconteceu com o bailout do The DAO.

Já apenas o software não é tão antigo como o dinheiro, mas já tem algumas décadas. Sabemos também que o software é a todo momento ultrapassado por outro bem melhor, e a sua evolução é muito rápida. Muitos defensores de cryptomoedas mais mutáveis usam o argumento de que o Facebook praticamente matou o Orkut e MySpace, ou que o Spotify matou o Winamp, e dessa forma o Bitcoin poderia ser facilmente superado por uma moeda supostamente superior. Nesse aspecto, pode-se conjecturar que uma moeda mais mutável seja superior ao Bitcoin pois pode se adaptar com a necessidade: se aparecer alguma outra cryptomoeda capaz de fazer alguma coisa muito mirabolante, com pouco esforço essa moeda mais mutável também poderia incorporar a funcionalidade.

Tendo dito isso, há três fortes argumentos em favor do Bitcoin:

  1. Uma cryptomoeda é antes dinheiro que software. Por que digo isso? Porque o software em si é só um meio de alcançar o fim que é o dinheiro. Os requisitos de uma cryptomoeda devem responder perguntas como, mas não limitadas a:

    “Funciona bem? Eu posso transferir para qualquer lugar do mundo? Eu posso guardar em longo prazo? Tem fungibilidade razoável? Não tem inflação? É razoavelmente estável?”

    Se a resposta é: SIM para elas, então significa que o software já é adequado o suficiente. Se a resposta é NÃO, então todo o projeto já está inviabilizado e não pode mais ser considerado sequer um dinheiro ou cryptomoeda. Dificilmente alguém inventaria algo mirabolante que ultrapasse a principal inovação de qualquer cryptomoeda: o poder de ser portável e intocável por agentes externos; o poder que o ouro não tem (ver meu artigo O Bug do Ouro).

  2. Ao permitir que o software seja facilmente mutável, você corre o risco de, numa tentativa de melhorar, inserir novos bugs, bugs desconhecidos em features pouco testadas – como bem sabemos ser bastante comum em qualquer desenvolvimento de software. Não só isso como uma alteração no núcleo pode inserir características que afetem toda a economia da moeda, como por exemplo aumentar a oferta. – fazendo com que uma daquelas perguntas do item anterior corram o risco de ser “NÃO”, tornando o projeto totalmente inviável como dinheiro, fazendo então com que o seu valor caia pra algo próximo de zero ou zero em algum caso mais catastrófico.
  3. O Bitcoin não é totalmente imutável. Portanto sabemos que pelo menos os bugs críticos de segurança, que podem inviabilizar o projeto como dinheiro (resposta NÃO para alguma das perguntas do primeiro item) serão resolvidos de forma muito rápida, como já foram no passado, conseguindo consenso geral, de nós e mineradores em pouquíssimas horas (da última vez foi aprox. 6 horas de instabilidade na rede, sem afetar hodlers de nenhuma forma).

Conclusão

O sistema de consenso adotado pelo Bitcoin que exige que praticamente todo nó participante da economia, bem como a maioria dos mineradores, atualizem o sistema para que uma nova regra no protocolo seja adotada, é uma característica que dá valor ao Bitcoin, e não o contrário.

O Bitcoin fica então mais protegido a ataques externos. Um meio de armazenar riqueza em longo prazo que não pode ser controlado diretamente por ninguém e que é portável certamente será alvo de atacantes. O núcleo não pode ser vulnerável.

Como será o Bitcoin daqui 10 ou 20 anos? Será bem parecido com o que temos hoje. As regras são bem conhecidas. Como será aquela-moeda-mutável daqui 10 ou 20 anos? Será bem melhor ou fará mudanças catastróficas? Onde parece mais seguro manter sua riqueza armazenada em longo prazo?

Por que mudei de ideia em relação a altcoins

Campinas, 1o de abril de 2017.

Eu estava tão errado! O que eu chamava de scamcoins, lixocoins ou shitcoins, eu agora amo! Idolatro.

coin1

Antes de tudo é necessário admitir que altcoins não são concorrentes diretas do Bitcoin (The Digital Asset™) e nem ameaças ao sonho da existência de um asset digital soberano, distribuído, estável, robusto, seguro, repleto de ferramentas, carteiras, exchanges, cartões, hardware wallets, como também mundialmente utilizado e reconhecido como dinheiro. Imagina! São todas amiguinhas; de forma nenhuma quem tem Bitcoin e promove alts é masoquista. Para se ter um dinheiro digital distribuído forte e confiável é necessário saber que ele pode ser tecnologicamente ultrapassado a qualquer momento por alguma outra cópia mal feita, impulsionada por FUD [1], mentiras e que, principalmente, resolvem problemas não-problemas de facto.

coin2.png

Diferente de antes, não acho mais que Bitcoin seja antes dinheiro que um simples software. Como condição de um software, ele pode se tornar obsoleto a qualquer momento. Quem não se lembra do Orkut ou MySpace? O dinheiro não pisca? Não solta bolinhas? Não tem problema! Logo virá uma altcoin para superá-lo que pisca e solta bolinhas. Uma utilidade super essencial para que se possa armazenar riqueza em longo prazo e se proteger de agentes agressores externos. E aí a altcoin que superar o Bitcoin que pisca e solta bolinhas não tem florzinha? Tudo bem também, logo virá outra que terá bastante florzinha e a gente migra toda nossa riqueza de novo, de uma forma bem suave e tranquila, num dump & pump para a nova moeda. Dessa forma nossa riqueza produzida e acumulada com tanto suor e trabalho fica num universo digital bastante estável e confiável.

Hoje especialmente, dia  1o de abril, também acho que quanto mais altcoins, mais descentralizado é o mundo crypto. De forma alguma um hipotético interessado em destruir o ecossistema de moeda digital descentralizada vai pensar em “dividir para conquistar” e tentar enfraquecer a moeda mais forte, espalhando mentiras e promovendo lixo. Que exagero pensar nisso! Quem segura e promove altcoins apenas quer um lucro rápido, fácil e com pouco trabalho; super normal. É apenas um pequeno atalho que não tem nada de imoral, como quase tudo que dá lucro rápido e fácil. O que importa é ganhar mais dinheiro, não é mesmo?

Como prova de que agora eu amo altcoins, vou listar aqui algumas das minhas preferidas:

Ethereum

Screenshot from 2017-04-01 03-47-06.png

Sair de 4% para quase 18% de market share de janeiro a abril não é nada suspeito. É a prova viva de que esta lixoco…, ops, altcoin, vai superar o Bitcoin rapidinho. Associar-se a grandes corporações [2] já bastante enraizadas com importantes governos não é nada suspeito também. Também é bastante louvável o fato de que a moeda tenha o desenvolvedor principal bastante ativo e considerado praticamente um rei [3]. Inserir uma enorme complexidade no dinheiro também é algo bastante desejável, sem perigo algum [4] [6] [7]. É exatamente onde quero colocar toda minha riqueza, assim que o Bitcoin se tornar de repente obsoleto!

Também me tranquiliza bastante o fato de que um fork não consensual foi feito para salvar fundos “roubados”. Assim que um agente agressor achar que há algum problema basta uma pressãozinha e a comunidade pode julgar o  caso por livre e espontânea pressão e fazer um fork pra arrumar tudo. Forks desse tipo também são super bem vindos e são a prova de que não há nada a temer com isso. A divisão ETH x ETC foi super tranquila e não causou nenhuma confusão no mundo crypto. De repente os Ethers duplicaram magicamente e as pessoas tiveram que escolher por onde seguir [5]. Algo bem simples para uma pessoa comum. Podemos falsif… ops, forkar sempre, criando ETD, ETE, ETF, seria ótimo, quanto mais melhor! Ah! E o fato de que o ETC é o Ether original e o ETH é a falsif… ops, fork, também acho que não tem problema algum.

Compre Ether e ajude a enfraquecer o Bitcoin!

Dash

Essa aqui é uma das minhas preferidas. Primeiro que é um clone do Bitcoin, um fork no código. Adoro o fato de que ela se chamava “Darkcoin”, um nome que transparece bastante segurança e transparência. Também acho exagero dizer que o instamine [8] foi um golpe. A nova feature de deixar algo que já era anônimo o suficiente [9] mais anônimo ainda é impecável [10].

Conceitos como de nós super poderosos também não parece uma ameaça à descentralização. Afinal, quem precisa de tanta descentralização assim também? Talvez a descentralização do Bitcoin seja um exagero. Descentralizado demais, nem precisa.

Outro conceito que parece maravilhoso é o de “auto governança”:

In Dash, everyone has a voice and the ability to propose projects directly to the network. (…)

Imagina que maravilha? Democracia é algo infalível, já provou por A+B que é de longe o melhor sistema de governança. Reuniões de condomínios que o diga [11]! Aí é onde eu quero armazenar a minha riqueza em longo prazo. Um asset que muda de acordo com o humor dos usuários. Isso também deve ser super difícil ser manipulado por quem queira destruir a moeda.

Vcash

Vcash ainda vai ressurgir das cinzas, anotem! Próximo verão. Por favor, esperem sentados.

Decred

Essa moeda eu adoro porque ela tem um marketing incrível e pouco invasivo. Ela apenas paga um monte de idiotas úteis que ficam criando spam e FUD [1] em grupos de Bitcoin, algo completamente normal e saudável, que não levanta nenhuma suspeita moral.

Além disso, como a Dash e tantas outras, é uma moeda que promete ser “democrática”:

Decred is an open and progressive cryptocurrency with a system of community-based governance integrated into its blockchain.

Não vejo a hora de comprar um monte pra conseguir governar loucamente esse troço.

Litecoin

Um clone quase idêntico do Bitcoin, só que melhor. Ela evita que pessoas possam construir ASIC e a mineração seja mais acessível e distribuída. Parece exagero afirmar que se essa moeda tiver algum valor relevante no mercado fará com que a mineração fique concentrada nas mãos da Intel, uma das poucas fabricantes de chips super complexos capazes de minerar Litecoin de forma mais otimizada. Quanto mais complexo o algoritmo de mineração, mais descentralizado. Isso parece fazer bastante sentido, tanto quanto uma abelha que gosta de nadar.

Tantas outras

São tantas outras altcoins lindas e maravilhosas que nem cabem mais aqui neste post. É uma shitco… ops, altcoin mais linda que a outra!

Notas e referências

Bitcoin como metal precioso

Uma outra analogia interessante para explicar o que é Bitcoin, além da analogia de que Bitcoin é um pedaço de terra já descrita no artigo A fabulosa ilha Bitcoin, é a analogia de que Bitcoin é um metal precioso [1].

0003-bitcoin-metal2-svg

Um metal que, assim como o ouro e outros metais preciosos, é muito escasso e bastante divisível. Só pode ter 21 milhões de unidades no máximo, sendo que cada unidade pode ser dividida em até 100 milhões de vezes. O processo de mineração também não é tão diferente de um metal: no início é mais abundante e fica cada vez mais difícil minerar ao longo do tempo.

Mas, diferente do ouro e outros metais preciosos, ele é bem feio. Na verdade, é quase invisível, pouco palpável, uma coisa meio esquisita. Apesar disso, ele tem uma característica que faz dele um metal extremamente útil para armazenamento de riqueza e muito mais atraente do que o próprio ouro: ele é teletransportável [2]. Ou melhor, é possível transportá-lo através da Internet. Em qualquer lugar do mundo em que a Internet possa chegar, o bitcoin poderá chegar em aprox. 10 minutos. Além disso, ele também pode assumir uma forma física (paper wallet ou Opendime™) e também ser armazenado em cofres, da mesma forma como o ouro e outros metais para que, no futuro, seja transformado em sua forma digital novamente, podendo ser então armazenado em celulares, computadores, e dispositivos próprios para tal, como o Bitcoin Trezor ou Ledger, por exemplo.

Parece coisa de filme, não? Uma mistura de Tron (1982) e The Matrix (1999). Pois é, o futuro chegou e o bitcoin está mudando completamente a forma como a riqueza mundial é armazenada e transportada.

Notas e referências

Museu do dinheiro em 2066

Este artigo iria se chamar “os prós e os contras do banimento de dinheiro em espécie para o sucesso do Bitcoin”, porém decidi fazer num formato um pouco diferente.tumblr_oius0wblt11uo3k2so1_540

Eu costumo criticar os utilitaristas utópicos em ficar tentando prever o futuro, imaginando uma sociedade perfeita e ideal, botando a bola de cristal pra funcionar. Como se não bastasse ser bizarro tentar prever o futuro, essa bola de cristal parece ainda bem quebrada e imprecisa. Quando falamos de uma sociedade que rejeita a agressão física sempre surge questionamentos como: “isso não daria certo”, “e as estradas?”, “e as pessoas más?”, “pra isso funcionar todo mundo teria que ser bonzinho” etc. Especulações mediúnicas totalmente sem sentido.

Apesar disso decidi botar a minha bola de cristal pra funcionar. Então, vamos lá.

Nota importante: este post não foi patrocinado por nenhuma empresa.


Ano de 2066.

– Papai, papai.

– O que foi, filhote?

– Nesse museu da história do dinheiro diz que já tentaram banir o dinheiro de papel, lá por volta de 2020, uns 50 anos atrás, é verdade?

– É verdade, filhinho. O pior de tudo é que conseguiram. Esse dinheiro de papel que usamos hoje não tem nada a ver com o dinheiro de papel daquela época. Você acredita que cada país usava um tipo de papel diferente? Na verdade, uma moeda inteiramente diferente. Toda vez que a gente ia pra algum outro país tínhamos que converter essa moeda numa casa de câmbio.

– Sério papai? Como assim?

– Sério Sérgio. Na verdade, ainda tem papel moeda em alguns países, nem todos aboliram o tipo de dinheiro que se usava naquela época.

– Hmmmmm. E, se não era como o nosso dinheiro, como era então?

– Serginho, se eu contar você não vai acreditar. Primeiro que não era de plástico flexível como o nosso, era de papel mesmo, papel papel. Daí o nome “dinheiro de papel”, mesmo sendo de plástico. Também era conhecido como “dinheiro em espécie” ou “papel moeda”.

– Aahhhh! Agora faz sentido esse nome.

– Pois é! E, pasmem! O pior está por vir: era um papel impresso, sem circuito eletrônico nenhum. Não era um Opendime v6 com Bitcoin dentro. Era um papel só, sem nada dentro. Difícil de explicar.

– Como assim papai? Como era possível? Não tinha nada dentro? Só um papel? Como eles sabiam que não era falso? Qualquer um podia imprimir então?

– Na verdade eles inventaram algumas coisas na impressão, como relevo, marcas d’água etc. que dificultavam um pouco a falsificação sim, mas não impedia. Mas o problema é que o próprio governo da época, nessa época que existia governo, falsificava oficialmente o dinheiro, imprimindo cada vez mais e mais, descontroladamente, gerando uma coisa que se chama “inflação”. E só o governo podia imprimir; ele tinha o monopólio da impressão. Se alguém fosse pego imprimindo era multa e cadeia.

– Como assim? Tinha um negócio chamado “governo” que podia ficar imprimindo dinheiro? Então esse coiso eu deduzo que era bem rico? Então o mundo todo na verdade era bem rico, já que era só imprimir mais e mais?

– Não não, Sérgio. Não funciona assim. Se você imprime dinheiro, é uma forma de falsificação. Isso significa que quem tem o dinheiro guardado terá um dinheiro que vale um pouquinho menos. Quanto mais imprime, menos vale cada nota de dinheiro. Na prática, as coisas, produtos e serviços, ficavam mais caros. O preço de tudo começava a subir. Isso era a “inflação”.

– Ué. Então por que as pessoas deixavam isso acontecer?

– Então. As pessoas confiavam cegamente nesse coiso chamado “governo”. Era uma espécie de religião. As pessoas realmente ficavam cegas. Elas acreditavam que era necessário essa entidade máxima, uma espécie de deus pagão para que tudo “funcionasse”. Eles usavam bastante esse termo “precisa ser assim pra funcionar”, seja lá o que eles queriam dizer com isso. Esse governo envolvia rituais misteriosos, crenças, ameaças de violência física e violência propriamente dita para que fosse possível enganar e controlar tanta gente.

– Nossa! Ma… Mas… Não existia o dinheiro na forma digital, como hoje?

– Sim. A maioria do dinheiro era digital. Mas, acredite se quiser: era apenas um número num banco de dados num sistema central. O que tornava muito mais fácil ainda a falsificação. Bastava quem controlasse esse sistema adicionar uns zeros a mais. As pessoas realmente não tinham noção do que estava acontecendo. Elas realmente acreditavam que, se todos fossem no banco ao mesmo tempo trocar a forma digital por física, todos sairiam com uma nota física. Quando, na verdade, as notas físicas representavam apenas uma pequena parcela do montante todo.

– Como assim “central”, pai? Sério isso? E como alguém confiava num troço desses?

– Sério, bebê. Seríssimo. Também não sei. Eu mesmo, pra falar a verdade, quando tinha a sua idade, também não entendia direito o que acontecia. Eles eram bem convincentes. E aprendíamos desde pequeno a respeitá-los. Mas tudo mudou bem rápido, ainda bem!

– Tá bom. Mas como então o dinheiro de papel foi um dia banido e como depois chegamos ao dinheiro Opendime v6, da forma como é hoje? Uma nota de plástico flexível com um circuito eletrônico impresso que pode ser verificado com exatidão matemática?

– Tecnologia, né meu filho? Em 2009 um maluco chamado Satoshi Nakamoto descobriu o Bitcoin, uma forma de ter aquele banco de dados com os saldos distribuída e confiável, sem controle central. Foi aí então que por volta de 2016 aconteceram duas coisas quase simultâneas que contribuíram para tudo andar rápido:

1) os governos começaram a banir o papel moeda. Começou na Suécia, depois Índia, Venezuela, Austrália, China, e por aí foi. Na verdade, eles queriam mais controle, e um jeito mais fácil de falsificar. Mas isso foi um tiro no pé absurdo. As pessoas tem a necessidade de algo físico; elas acreditavam que podiam trocar a forma digital pela física a qualquer momento. Era isso que mantinha a fé de muita gente no dinheiro da época. Se você tira isso, você começa a fazer as pessoas questionar o que é realmente o dinheiro. A população mais pobre também não tinha acesso a contas bancárias, cartões etc. e o dinheiro de papel sempre se fez necessário em diversas situações. Sem contar as pessoas que propositalmente não queriam ser controladas e vigiadas pelo governo. – E um problema desse banimento na época era que o governo finalmente conseguiu uma boa desculpa para banir também o Bitcoin. Se o Bitcoin não podia ser banido porque papel moeda também era anônimo, agora que não existia mais nada oficialmente anônimo, o Bitcoin podia ser banido porque estaria fora do controle governamental.

2) um outro maluco chamado Rodolfo Novak, um brasileiro aliás, conseguiu materializar de forma definitiva o Bitcoin no Opendime v1. Aquilo foi um sonho! Transformar uma coisa puramente digital, que era o Bitcoin, numa coisa totalmente física. Parecia coisa de filme. Foi então que esse aparelhinho foi aprimorando, na versão 2, depois 3 até chegar na 6, da forma como é hoje. E, você também não vai acreditar, eu é que mandei um twitter para o Novak sugerindo que a próxima versão fosse de plástico flexível. Tudo bem que demorou bem mais do que eu gostaria, mas finalmente o futuro chegou!

– Ah! Entendiii! Pai, pai, agora me dá 100 Satoshis por favor pra eu comprar um cappuccino?

– Claro!

Tiro do bolso então duas notas de 50 Satoshis cada e entrego pro meu filho.

– Tome Serginho, vai tomar o seu cappuccino.

Enquanto isso abro meu tablet e compro a principal revista de Tokyo em formato digital por 1.000 Satoshis.

Por que poupar bitcoins?

Neste artigo eu faço uma breve comparação da moeda fiduciária centralizada estatal Real, do ativo físico privado distribuído ouro, do dinheiro eletrônico privado distribuído Bitcoin e outros dinheiros eletrônicos.

picsou

 

O Real tem um marketcap muito maior que o Bitcoin [1] e isso traz enormes vantagens, como por exemplo: mais estabilidade, mais aceitação, entre outras. Além disso o Real é bem mais tradicional, tendo já 22 anos, enquanto o Bitcoin tem apenas 7. Há também uma lei de curso forçado [2] que obriga todo estabelecimento no território nacional a aceitar reais sob a pena de multas, violência física e prisão. Tudo isso empurra na marra a demanda pra cima, fazendo com que seu preço de mercado não perca tanto valor perante alternativas melhores, como o dólar ou ouro, por exemplo.

Tendo dito isso, as desvantagens do Real são também enormes: pra começar é uma moeda centralizada emitida por uma organização de moral duvidosa [3], o que já seria motivo suficiente para não usá-la. E, apesar do enorme marketcap, essa entidade central é capaz de imprimir muito, mas muitos reais mesmo, sem previsibilidade alguma, de acordo com o que ela julgar necessário. Isso pode ser chamado também de “falsificação de dinheiro”. A mesma entidade que força sob grave ameaça os estabelecimentos a aceitarem essa moeda criando uma demanda artificial também aumenta a oferta, imprimindo sem limites. Mesmo com a demanda forçadamente inflada, a oferta consegue ser ainda maior, gerando inflação e portanto perda constante do poder de compra para aquele que poupa a moeda. Isso cria um forte incentivo para que ninguém a poupe, o que também contribui para a sua desvalorização.

Já o Bitcoin tem como principal desvantagem ter um marketcap pequeno e portanto uma volatilidade grande. Outra desvantagem é que é uma moeda bem recente, ainda sem muita tradição.

Apesar disso, as vantagens são enormes. O Bitcoin corrige um bug gravíssimo do ouro: ele é teletransportável [4]. E, assim como o ouro, não é emitido por nenhuma entidade central. Sua segurança não se dá por agentes armados, mas sim por pura matemática e engenharia da computação [5]. Sua natureza de oferta previsível e limitada [6] também cria um forte incentivo para poupança, o que contribui para sua valorização quase certa em longo prazo.

E, de todos os dinheiros eletrônicos privados descentralizados, o Bitcoin é o mais tradicional, com maior infraestrutura de apoio, maior segurança (custo efetivo para atacar a rede), o mais sólido, mais utilizado, maior marketcap, entre outras inúmeras vantagens.

Notas e referências

  • [1] Marketcap é o preço de mercado de um ativo como um todo. É o número de unidades da moeda estimado x seu preço de mercado. O Bitcoin possui hoje (3/abr/2016) aprox. US$ 6.4 B e o Real US$ 1 T, aprox. 156 x mais que o Bitcoin (arquivado).
  • [2] Decreto 23.501 de 27 de novembro de 1933. Mais informações: curso forçado (arquivado).
  • [3] ROTHBARD, Murray N. A natureza do Estado. 2008 (arquivado) e O Estado, o agressor. 2009 (arquivado).
  • [4] LALLI, Felipe. O bug do ouro (arquivado).
  • [5] NAKAMOTO, Satoshi. Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System.
  • [6] O Bitcoin só terá ao longo da história no máximo 21 milhões de unidades, sendo cada uma delas divisível até a centésima milionésima parte. Pode-se dizer também que existem 2,1 trilhões de unidades inteiras. E, apesar da quantidade final (21 milhões) não poder ser aumentada, é possível alterar no futuro o algoritmo para que a moeda seja ainda mais divisível, caso necessário.

Veja também

A importância do Bitcoin OTC WoT

(…) Se você não tem uma conta WoT você não faz parte do ecossistema Bitcoin. Esse é o critério, não importa o que você possa achar. É onde todos olham, não importa o que alguma rede social tem dito pra você. Se você não está no WoT você não está no Bitcoin.

— MPOE-PR (relações públicas de Mircea Popescu) [1]

86a2b25f153282ce755629918a712e74
Como identificar uma pessoa honesta num ambiente hostil?

O que é uma rede de confiança?

Uma rede de confiança (WoT – web of trust) é um grafo que estabelece uma relação de confiança entre duas partes, mesmo que elas não se conheçam previamente, através de ligações diretas ou indiretas.

otc
Fig. 1

Se uma imagem vale mais que mil palavras, veja como exemplo a Fig. 1.

Vamos supor que você seja a bolinha preta, as bolinhas azuis sejam pessoas honestas e as vermelhas são golpistas ou pessoas de caráter duvidoso. Podemos supor até que alguma das bolinhas vermelhas são apenas fake ou marionetes da bolinha C. Perceba como o ambiente é hostil! No exemplo, 40% dos usuários são desonestos. E no mundo do Bitcoin é possível que não seja tão diferente. Muitos golpistas e aproveitadores estão, infelizmente, infiltrados na comunidade, aplicando golpes de forma silenciosa e saindo ilesos.

Se analisássemos a figura de um ponto de vista neutro, sem conhecer ou confiar em nenhuma pessoa do cenário, é até possível que possamos deduzir, de forma errada, que C fosse uma boa pessoa. Afinal, o usuário C tem +23 pontos no total. Porém, basta que você conheça UMA pessoa no sistema para poder fazer uma análise mais precisa sobre a idoneidade de alguém. No exemplo, você conhece A e mais uma outra bolinha.

Se você tem um grau direto de confiança com A de +5 (numa escala de -10 a +10, sendo zero neutro) fica fácil deduzir que, se A tem uma relação de (des)confiança direta com C de -3, C não pode ser uma boa pessoa. Falando mais formalmente, você tem uma relação de L1=0 e L2=-3 em relação a C, mesmo sem conhecê-lo diretamente. Isso significa que em primeiro nível (L1 / level 1) você é neutro em relação a C (pois não o conhece, daí a nota zero), mas em segundo nível (L2 / level2) você é -3 (através de A).

É aquela velha máxima: o amigo do meu inimigo também é meu inimigo. Sendo assim, mesmo num ambiente com poucos usuários e onde 40% são golpistas, foi fácil desmascarar uma rede toda de golpistas infiltrados.

Vamos calcular aqui outras relações de confiança usando como exemplo a Fig. 1.:

  • você tem relação de confiança L1=+5, L2=+2 em relação a A.
  • A tem relação de confiança L1=0, L2=0 em relação a você. Isso significa que ele não te conhece o suficiente ou é neutro em relação a você. Note que você pode confiar em alguém que não tem uma opinião formada sobre você. A reciprocidade não é regra numa relação de confiança.
  • você com BL1=0, L2=+3.
  • B com você:L1=0, L2=0.
  • A com CL1=-3, L2=0.
  • C com BL1=0, L2=-10.
  • B com A: L1=+4, L2=+1.

Veja um exemplo real entre o usuário felipelalli e mircea_popescu:

Screenshot_2016-02-03_02-09-33
Fig. 2

A Fig. 2 mostra que felipelalli tem uma relação L1=+5, L2=+10 em relação a mircea_popescu.

O que é o Bitcoin OTC WoT?

Bitcoin OTC WoT é uma rede de confiança formal [6].

Uma rede de confiança apenas estabelece a relação de confiança entre duas partes, mas isso pode existir de diversas maneiras.

A maneira mais comum é através de uma rede informal, no boca a boca, formada pelos nossos contatos cotidianos, nosso amigos, familiares e pessoas de confiança. Quem nunca pediu a indicação de um amigo especialista ou pessoa de confiança para contratar alguém? Quando queremos trabalhar em algum lugar, também não pedimos indicação? Ou quando queremos trocar a empresa com a qual estávamos acostumados a comprar algum produto, também sempre procuramos as referências.

Uma rede de confiança informal já é extremamente poderosa. Imagine então uma rede de confiança formal. Ela é formal porque tudo é feito através de contratos e assinaturas digitais, abrindo possibilidades incríveis e poderosas para contratos sólidos e inteligentes.

O sistema Bitcoin OTC WoT é open source e funciona de forma centralizada através de um bot (robô) chamado gribble que fica no canal #bitcoin-otc do IRC no servidor Freenode. É baseado em assinaturas digitais e suporta tanto GPG como assinaturas com endereços Bitcoin.

Apesar do sistema ser centralizado, sua natureza é descentralizada, i.e., devido ao fato de ser baseado em assinaturas digitais não é possível que o criador ou mantenedor do sistema altere qualquer nota sem que isso não fosse facilmente notável. Além disso, o banco de dados do sistema é público, e qualquer um pode fazer backup a qualquer momento, ou até mesmo extrair a informação para criar outros sistemas.

O Bitcoin OTC WoT tem atualmente mais de 6 mil usuários e existe desde o início do Bitcoin (mais precisamente novembro de 2010), sendo assim o sistema mais tradicional existente no mundo do Bitcoin.

Alternativas

Por ser centralizado e suscetível a falhas (como aconteceu de fato quando o gribble ficou fora do ar por um tempo), Mircea Popescu e alguns frequentadores do canal #bitcoin-assets (turminha do barulho™) acharam que seria interessante criar uma alternativa [3]. E foi aí que surgiu a rede Btc Alpha WoT que é gerida pelo assbot, uma alternativa ao gribble e que habita no canal #bitcoin-assets. Ele é um fork do Bitcoin OTC WoT [4] e a partir do fork tem sua rede independente de notas. Veja aqui o navegador de sua rede: http://www.btcalpha.com/wot/

Compare, por exemplo, o usuário felipelalli na rede Bitcoin OTC WoT e na rede Btc Alpha:

O mais interessante disso tudo é que, como os sistemas são baseados em assinaturas digitais, mesmo que existam outras alternativas no futuro, ainda seria possível integrá-las totalmente. Se um dia surgirem várias redes de confiança, todas podem ser unidas pelas chaves GPG ou endereços bitcoins em comum.

E por que é importante?

Mircea Popescu define de forma genial a diferença entre estar ou não no WoT:

quem faz parte são os cidadãos civilizados, e quem está fora, os bárbaros [5].

Essa analogia é perfeita porque isso não implica que não possam existir bárbaros honestos ou cidadãos desonestos, mas implica que quem faz parte do WoT aprecia a civilidade. E fica evidente que para um desonesto é mais fácil se esconder sob a manta da ignorância de um bárbaro.

Depois de explicar como funciona uma rede de confiança, suas vantagens ficam latentes. Fica até redundante e repetitivo, mas vou listar e explicar algumas:

  • Redução do problema das incógnitas [2].
  • Segurança no mercado P2P (OTC) e negócios B2B e B2C.
  • Criar contratos digitais sólidos e confiáveis [10], sem a necessidade de utilizar sistemas monopolistas e corruptos como cartórios ou governos.
  • Privacidade / anonimidade.

Segurança

combination_lock

Ao iniciar qualquer negociação com um estranho – principalmente aquele conhecido apenas na Internet – qual é a garantia de que sua contraparte honrará o combinado? O WoT responde bem a pergunta: “quem é você?” de forma mais concreta, te dando uma segurança maior.

As garantias no WoT são aqueles que você já confia e que também confiam nele. O voto de cofiança formal é também uma responsabilidade. Se alguém faz abuso do WoT confiando em qualquer um, sem uma análise mais cuidadosa, essa pessoa pagará por isso perdendo sua própria confiança com o tempo. Se alguém for lesado, essa pessoa tirará satisfações com essa pessoa que ela confiou e que indicou o golpista. Isso pode acarretar em uma mudança drástica nas notas e nas relações de confiança de todos os envolvidos, isolando e expulsando os atores ruins.

E, o mais importante de tudo, é a possibilidade de fazer contratos sólidos como descrito mais abaixo. Contratos digitalmente assinados e publicados no Blockchain são a prova definitiva de que tal acordo ou declaração foi feita.

Liberdade

O Bitcoin OTC WoT nada mais é que um tipo de regulamentação privada e descentralizada. Utilizar uma infraestrutura assim é declarar independência ao velho e ultrapassado modelo governamental. É claro que você ainda pode recorrer a sua justiça local, e com o WoT será muito mais fácil provar toda a fraude; mas o ponto é que isso se torna opcional. Num acordo formal você pode definir os arbitradores, alguém de confiança das duas partes, por exemplo, definir as garantias e possíveis punições.

E o que é o Bitcoin senão declarar independência do velho sistema? Se os players do Bitcoin puderem ser reconhecidos de forma civilizada [5] todo o sistema independente está montado.

Contratos sólidos

stampUm contrato sólido [10] precisa: 1) ter uma prova concreta de que o acordo existiu em determinado momento. 2) que as partes “sejam alguém” e a certeza de que quem assinou foram esses alguéns.

O Bitcoin é tão inovador que o item 1 simplesmente não era possível antes de sua existência [7]. Desde 2009 é possível que se comprove a existência de uma informação de forma concreta e precisa [8].

OK. O Bitcoin resolve o item 1. Mas e o item 2? Eu posso simplesmente criar um par de chaves hoje, do nada, e assinar um contrato prometendo mundos e fundos. O que garante que eu não vou dar o cano e amanhã criar uma chave nova? E sair ileso dessa?

O WoT resolve o problema de “ser alguém”. Se eu sou alguém e tenho uma reputação a zelar, mesmo que eu fosse uma pessoa má, eu não colocaria em jogo toda a minha reputação conquistada para aplicar um golpe e me tornar um bárbaro no dia seguinte (a não ser é claro, se fosse um golpe “gran finale”, último e derradeiro).

Ser alguém é importante num contrato. Seja alguém, não seja um Zé Ninguém.

Privacidade

Revelar sua identidade no Bitcoin OTC WoT é opcional. Você pode utilizar um nome de usuário inédito e não associar em nenhum momento sua real identidade com esse usuário. O que importa é a entidade que terá uma assinatura criptográfica válida: você pode usar esse usuário para negociar e/ou conquistar a confiança de outros usuários, e isso basta.

Rebatendo críticas ao sistema

Quando eu falo do Bitcoin OTC WoT na comunidade brasileira sempre aparece um ou outro derp propagando desinformação ou criticando o sistema. Por causa disso achei necessário rebater as principais críticas neste capítulo.

“É fácil sacanear um WoT”

Não é [9]. Como explicado antes e exaustivamente em [2] não existe uma “reputação global”. O que existe é uma relação de confiança entre uma parte e outra, que pode mudar drasticamente ao se observar de um ponto de vista diferente no sistema. O que existem são círculos de confiança. Pessoas más podem criar um clubinho e confiar entre si. O que importa é pra onde sua confiança aponta primeiro.

O WoT é seguro e útil mesmo num ambiente hostil, e é isso que o torna poderoso.

“Ninguém usa o Bitcoin OTC WoT”

Usa sim. No mundo todo são mais de 6 mil usuários importantes, com pessoas de peso na comunidade. E, mesmo que argumentar que ainda assim é pouco, eu digo: quantidade é irrelevante num sistema WoT. Os civilizados estão lá, e é isso que importa.

Como na Fig. 1, mesmo com apenas 10 usuários numa rede de confiança já é possível identificar os golpistas e separar o joio do trigo. Além disso, a rede de confiança se estende para o mundo informal. Pequenos usuários ou pequenos negociadores bárbaros [5] eventualmente podem se apoiar na confiança informal de alguém que esteja no sistema.

É possível também, por exemplo, que alguém de dentro do sistema faça uma declaração digitalmente assinada recomendando ou não alguém de fora. Exemplo: “Eu declaro que confio no bárbaro Zé Ninguém” ou ainda: “Eu declaro que se o Zé Ninguém um dia fizer parte do WoT, minha nota será -10”.

A frase “ninguém usa o Bitcoin OTC WoT” pode ser traduzida para “nenhum idiota do meu círculo de amizades idiotas usam Bitcoin OTC WoT”.

“É muito difícil utilizar o Bitcoin OTC WoT”

Numa primeira vista pode até parecer, mas não é tanto assim. Em poucos passos você consegue criar uma nova conta e, depois, na autenticação do dia a dia fica ainda mais fácil.

Os pré-requisitos pra conseguir são: saber ler ou conhecer alguém que possa te ajudar. É desejável conhecimento de: 1) IRC e 2) assinaturas digitais, de preferência GPG ou com endereços Bitcoin. – Mas, mesmo se não souber esses dois últimos itens, não há nada que o Google não possa resolver em poucos minutos.

O IRC é moleza. O IRC é um protocolo de chat (quem nunca usou chat?) e existem diversos clientes em diversas plataformas, de todos os gostos e tipos. – E o GPG é necessário de qualquer forma se você quiser fazer contratos digitais sólidos [10]. Para os leigos, pode ser a parte mais difícil. Todavia, para quem quiser começar a usar o sistema, basta que saiba assinar com um endereço de Bitcoin. Quase toda carteira de Bitcoin hoje em dia é capaz de assinar e verificar mensagens.

Lembre-se: a desculpa do aleijado é a muleta. Se você julgar o sistema importante o suficiente, você vai conseguir.

Easter egg escondido: se você for realmente preguiçoso, tente usar o Bitcoin OTC WoT para preguiçosos feito em Java.

Exija que sua contraparte tenha OTC WoT na sua próxima negociação

Como demonstrei neste artigo, uma pessoa só se opõe a fazer parte de uma rede de confiança formal nestes casos: 1) por ignorância 2) por preguiça 3) porque é um golpista em potencial.

Lembre-se: uma rede de confiança é o pesadelo de pessoas com desvio de caráter.

Na sua próxima negociação exija que a sua contraparte tenha uma conta no Bitcoin OTC WoT e que tenha boas indicações. Para grandes quantias ou negócios mais arriscados, aumente a exigência, como por exemplo um L2 >= 3 ou L2 >= 5. Analise com cuidado os depoimentos da pessoa e a reputação das pessoas que a qualificaram. Exija contratos digitais publicados no Blockchain. É a única forma efetiva de se proteger num ambiente hostil e desregulamentado. Na verdade, como dito antes, isso é uma regulamentação, mas privada.

E, se a pessoa ou empresa recusar sua exigência, lembre-se: ela é ignorante, preguiçosa ou golpista, então caia fora, procure alguém melhor, você merece mais.

Notas e referências


dedico este artigo aos meu amigos Douglas Castro e Bingo Boingo

O bug do ouro


Revisão: Rachel dos Santos Dias.

Antes de julho de 2012, mais especificamente antes de conhecer o Bitcoin [1], eu costumava ser um forte defensor do ouro e do padrão-ouro. Imaginava que o mundo ideal era aquele em que as pessoas utilizavam ouro no dia-a-dia e que as moedas locais fossem lastreadas em ouro e não de curso forçado [7] simplesmente.

gold-bugs

O ouro parecia perfeito: tradicional, bonito, físico, com “valor intrínseco”, escasso e não falsificável. De fato, até o Bitcoin ser inventado, em 2009, o ouro era realmente a melhor forma de dinheiro. Muito superior a qualquer moeda fiduciária.

Mesmo depois de conhecer o Bitcoin, continuei por um tempo defensor ferrenho do ouro, inclusive criticando injustamente o artigo de um amigo sobre o tema [2]. Até já considerava que o Bitcoin era (levemente) superior, mas não imaginava que o ouro tinha um problema grave.

Por volta de junho de 2014, um artigo [3] me fez enxergar o que eu chamo agora de “o bug do ouro”. Se o ouro tivesse sido artificialmente projetado, como foi o Bitcoin, ele teria um “erro de projeto”, uma falha intrínceca que só seria possível de se notar hoje, num mundo digital e globalizado.

O bug basicamente é este: o ouro não é portável. É impossível mover rapidamente o ouro físico de um local para o outro, e essa dificuldade aumenta com a distância e quantidade. Isso não parece tão grave em uma primeira análise pois podemos pensar que 1) não frequentemente transferimos o dinheiro a uma distância muito longa 2) o ouro pode ser representado de outras formas, como papéis e também em forma digital. – o item 1 podia até ser verdade há um tempo atrás, muito antes da Internet e das viagens internacionais, mas hoje há uma necessidade de se transferir dinheiro à distância. Mesmo em pouca distância, como por exemplo, fazer compras pela Internet no mercado da esquina. Se fosse necessário transferir o ouro fisicamente, sem a necessidade de uma representação digital (item 2), você teria que ir fisicamente ao local para entregar o ouro, invalidando toda a comodidade conquistada pela tecnologia da compra à distância.

Então, sobre o item 1, podemos concluir que hoje é necessário que o ouro seja portável. A solução natural para o item 1 é, então, o item 2: criar representações virtuais do ouro.

O ouro físico se torna um lastro de uma representação digital, armazenado num local específico, sob custódia de alguma autoridade ou entidade supostamente confiável. Isso é distribuído, fazendo com que várias entidades tenham ainda que integrar o sistema delas entre si, para que a forma digital seja minimamente útil e o ouro seja artificialmente portável.

Contudo, como garantir que alguma entidade não está mentindo sobre a quantidade de ouro físico que possui? Como saber se um governo não está sendo corrupto e escondendo a real quantidade de ouro físico? São tantas empresas, governos, certificações etc. que no fim é difícil verificar realmente tudo, e o incentivo econômico para falsificar a representação digital do ouro aumenta.

Segundo aquele artigo que citei logo acima [3], estima-se que existam cerca de cem vezes mais papel de ouro do que o ouro físico. Realmente não sei dizer se é tanto assim, não verifiquei as fontes com cuidado, mas se for tudo isso é realmente alarmante! E, mesmo que não seja, é possível deduzir facilmente que a forma digital do ouro não mais tem o lastro completo de ouro físico. É altamente improvável que toda a representação digital do ouro tenha sua forma física equivalente.

Neste ponto, você poderia argumentar: “- então o segredo é apenas comprar e armazenar ouro físico. Dessa forma estarei protegido dessa bolha.”

A resposta é: não completamente. Você só estaria protegido SE e SOMENTE SE num futuro toda a economia ruísse, houvesse uma crise internacional bizarra, em que surgisse uma demanda real pelo ouro físico.

Isso é altamente improvável. Até que isso não ocorra, o que está acontecendo de fato é que o seu ouro, que deveria lhe proteger da inflação, está sendo inflacionado! Estão “imprimindo” ouro, ou mais especificamente, estão falsificando ouro, através dos papéis falsos, desvalorizando o seu rico dinheirinho no mercado. Mais ouro disponível, menos vale o seu ouro (seja ele físico ou em representação digital). A desvalorização do ouro só não é pior, porque mesmo uma moeda forte como o dólar, que geralmente é utilizada para comparar ao ouro, possui uma inflação significativa e o governo consegue imprimir mais dólares do que o crescimento de “ouro falso” no mercado.

Esse “bug” simplesmente torna o ouro obsoleto e, por mais triste que seja dizer isso, não recomendável para armazenamento em longo prazo.

É triste porque sempre fui um defensor do ouro e porque o ouro é insuperável nas características: tradicional e bonito. Na verdade, se o ouro deixar algum dia de ser um meio tão importante para se armazenar valor em longo prazo, até mesmo a sua tradição não vai importar mais. E, o bonito, é relativo. O metal pode até ser trabalhado e assumir várias formas em jóias lindas, mas sua característica básica é sempre a mesma: aquele dourado que hoje pode ser imitado por muitos outros tipos de materiais bem mais baratos.

A boa notícia é que, se a moeda fiduciária é um lixo e o ouro tem um bug grave, a tecnologia do Bitcoin surgiu para resolver esse bug: o Bitcoin é o ouro portável [4].

O Bitcoin supera o ouro em quase todas as características: ele pode assumir uma forma física (ainda não perfeita, mas é possível que seja quase perfeita no futuro) [5], tem “valor intrínseco” [6], é escasso (apenas 21 milhões de unidades no máximo para sempre) e não falsificável. De bônus, o Bitcoin ainda é facilmente verificável – com um software que executa num celular moderno é possível verificar sua autenticidade (hoje em dia isso é mais fácil que verificar a autenticidade do ouro) e, o mais importante em comparação ao ouro, é portável.

O Bitcoin nasceu no formato digital, dispensando qualquer representação intermediária para que ele seja portável e facilmente verificável. Ainda por ser totalmente distribuído, ele também dispensa qualquer autoridade central ou qualquer entidade supostamente confiável.

Sendo assim, se alguém pode ter o bem final (o Bitcoin) em si, e ela pode receber e enviar para o mundo todo de forma rápida e barata, e também pode verificar a veracidade facilmente por conta própria, por que ela teria uma representação desse bem? Ou por que necessitaria confiar em alguma entidade que guarda a sua forma física? Perceba que inserir intermediários apenas implica em menos segurança, em mais possibilidade de papéis falsos.

Para concluir, se o Bitcoin é superior ao ouro, por que ele vale hoje (dez/2015) aprox. 1052 vezes menos que o ouro no mercado? Isso acontece porque o ouro é mais tradicional. E esse item é muito importante. Ele é bem mais antigo que o Bitcoin e é usado como forma de armazenamento de riqueza há milênios. Não é fácil conquistar a confiança de alguém, ainda mais quando se trata de dinheiro. Além disso, o ouro tem algumas vantagens práticas: por ser mais tradicional e, portanto, valer muito mais, seu preço (poder de compra) é muito mais estável que o Bitcoin. Mesmo tendo o problema de ter a inflação por conta de papéis falsos que inundam o mercado, o Bitcoin é ainda tão insignificante e subvalorizado na economia mundial que sua volatilidade é alta, fazendo com que o nível de desconfiança aumente ainda mais e que não seja algo muito prático em curto ou médio prazo.

Tudo isso, porém, é irrelevante em longo prazo. Sendo o Bitcoin superior ao ouro e tendo o ouro um bug grave e evidente, a tendência é que o mercado adote, cedo ou tarde, o Bitcoin como o principal dinheiro do mundo.

Notas e referências

Veja também

A fabulosa ilha Bitcoin

Olá! Meu nome é Felipe, e eu sou um orgulhoso morador da fabulosa, magnífica, misteriosa e recém-descoberta ilha Bitcoin. Sou também proprietário de uma pequena área dessa linda ilha. Fui também um dos primeiros a me mudar pra cá, em 2012, apenas três anos após sua descoberta.
- autor desconhecido
– autor desconhecido

Decidi escrever para responder algumas perguntas que muitos amigos me fazem: onde fica a ilha Bitcoin? Qual é o seu tamanho? Quando ela foi descoberta? Por quem? Por que você comprou terra nessa ilha? Por que não outra ilha, se há tantas? Por que se mudou praí? Vale a pena morar aí? Se eu morar na ilha vou ganhar muito dinheiro? Ou perder? Qual é a relação com a ilha do Lost? Dizem que é uma ilha insegura, que há piratas, que roubam terras! Outros ainda alertam que a ilha é uma farsa, que ela não existe de verdade, que é tudo virtual, tudo imaginação! E também já ouvi falar que ela vai explodir a qualquer momento, e afundar no mar, desaparecendo completamente da noite para o dia. Ou, que não é economicamente viável, ou auto-sustentável. Que as terras não tem valor algum, ou até que não tem utilidade real.

O maior absurdo que já ouvi, eu juro, foi que a ilha seria um grande esquema para enriquecer o fundador e os primeiros moradores, e que ela só se sustentaria se mais e mais pessoas fossem morar nela, indefinidamente, até que, de uma hora para outra, as pessoas notassem a “grande farsa” e vendessem as terras a qualquer preço, causando um caos geral e uma fuga em massa.

Como sou um morador e eterno admirador dessa ilha, vou esclarecer alguns mistérios.

Seja bem vindo à ilha Bitcoin!

► Como é essa ilha?

A ilha ainda é pouco conhecida e pouco explorada. Foi descoberta por Satoshi Nakamoto no início de 2009, um navegante muito habilidoso, mas anônimo e misterioso. Não se sabe ao certo se ele é apenas um indivíduo ou se representa um grupo de visionários. Diz a lenda que ele foi um anti-pirata e seu objetivo de vida sempre foi descobrir uma ilha livre como a ilha Ouro XAU porém muito mais moderna e útil.

Um ar de magia paira na ilha, pois ela possui algumas propriedades realmente incomuns e inéditas. Na verdade, ela é muito tecnológica. É tão tecnológica e moderna que isso facilmente se confunde com magia.

“Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinta de magia.”
— Arthur C. Clarke

Eu falei da ilha de Lost anteriormente porque ela tem características misteriosas parecidas: a principal diferença é que a ilha de Lost é fictíciavirtual; enquanto a ilha Bitcoin é real, apesar de ser digital. Mas, em comum: sabe-se pouco sobre quem descobriu a ilha, apesar de existir muitas especulações sobre isso. Assim como a ilha livre Ouro XAU, ela não tem um comando central, não tem presidente, rei ou governador, não é dominada por nenhuma gangue, máfia, organização criminosa ou Estado, não pertence a uma única pessoa ou entidade: é um conjunto de fragmentos de pequenas e grandes propriedades.

Além disso, ela tem outras propriedades muito interessantes que vou explicando ao longo do texto.

► Onde fica a ilha Bitcoin?

A ilha não possui uma localização geográfica fixa ou central. Não existe um ponto único no mapa, ela faz parte da dimensão digital, que é difícil de abstrair e entender, mas é como se ela estivesse em diversos pontos espalhados no globo ao mesmo tempo. Pra ser mais exato, atualmente (maio/2015) ela está localizada em aproximadamente 6 mil pontos espalhados ao longo do globo terrestre. E ela se move! Ela sai de um lugar e entra em outro, o tempo todo e de uma forma muito rápida. Cada ponto desse contém toda a ilha.

É difícil de entender, mas a ilha inteira está localizada em vários lugares ao mesmo tempo, e se movendo. Essa é uma das tantas propriedades que fazem a ilha ser tão especial.

Segue uma fotografia em formato de “mapa de calor” (heatmap) mostrando onde ela se encontra neste exato momento (22 de maio de 2015 às 03:37 BRT) no globo terrestre:

localização da ilha Bitcoin em maio/2015
localização da ilha Bitcoin em maio/2015

► Qual é o tamanho da ilha Bitcoin?

Ela possui 21 milhões de km² (4,11% da superfície terrestre, ou 21 trilhões de m² – bits), sendo que apenas 14 milhões de km² foram explorados até o momento (aprox. 66%). As áreas inexploradas são de difícil acesso e ninguém ainda conseguiu chegar até elas. Da área explorada, algumas partes são bem movimentadas, trocando de donos o tempo todo, e outras partes foram reservadas e permanecem intactas.

► É possível saber quem é o dono de cada área?

Essa é outra característica interessante da ilha: por não possuir um controle central, todo registro de propriedade é feito em sua engrenagem descentralizada de forma anônima.

Uma diferença notável para outras ilhas livres como a ilha Ouro XAU é que nas ilhas antigas esse registro da propriedade era feito de forma bruta, através da força física. Já a ilha Bitcoin possui escudos de plasma que protegem de forma sólida cada pedacinho de propriedade, não permitindo por padrão que pessoas não autorizadas consigam entrar.

by Itachou
by Itachou

Sobre as áreas bem reservadas que permanecem intactas, não é possível saber se os donos morreram, simplesmente perderam o acesso a ela, ou se eles as guardam para usá-las como “casa de veraneio”. O acesso do dono é feito com uma chave especial, chamada de “chave privada”. Essa chave privada nada mais é que um código, e pode ser qualquer coisa: pode ser um grande número, palavras ou frases. Isso é tudo que o dono precisa guardar com cuidado, e ele pode armazenar isso na cabeça, num pedaço de papel ou em forma digital criptografada.

- autor desconhecido
– autor desconhecido

Sobre as áreas mais movimentadas, também não é possível identificar quem são os donos, mas é possível de fora observar que donos antigos estão se mudando e novos donos estão assumindo.

Toda área reservada possui um endereço público, uma espécie de código de identificação, algo parecido com isto: 1LipeR1AjHL6gwE7WQECW4a2H4tuqm768N e o dono não é conhecido por padrão, a não ser que tenha uma placa com seu nome na frente ou que ele tenha divulgado isso em algum momento.

Nesse exemplo acima, esse código é de uma área que me pertence e o dono é conhecido publicamente, pois eu mesmo divulguei. Mas a tradição da ilha é que o dono de uma área seja desconhecido.

De qualquer forma, outra característica muito importante é que, apesar de eu ter declarado que sou dono desse endereço aí acima, nenhuma outra pessoa além de mim consegue provar de forma definitiva que eu ainda possuo acesso a esse endereço. No máximo podem levantar suspeitas sobre os verdadeiros donos, mas ainda assim é bem complicado.

Somente o dono é que consegue, através de uma assinatura, provar que ele possui acesso àquela área em um determinado momento. É assim que ele consegue transferir sua propriedade para outro possível interessado após uma negociação. Mas nada garante também que ele não tenha perdido o acesso logo em seguida. Imagine que a chave privada, aquele código secreto que dá acesso ao dono, esteja guardada num papel. E que esse papel pegue fogo. Nesse caso o dono não tem mais acesso ao local reservado e ninguém consegue provar o contrário. Essa característica permite uma proteção extra contra piratas ou governos centrais que tentam extorquir a vítima para roubar ou confiscar suas terras.

Um exemplo de prova que eu possuo neste exato momento o acesso ao endereço 1LipeR1AjHL6gwE7WQECW4a2H4tuqm768N é que eu posso assinar o hash do bloco de altura 357652 que é 000000000000000003bee311c38ead2b8b6b9d5465f5612e95dce5193a0a50d1 resultando em: HMcYZN5mfF2kR7tn1J8llv3KmJOPuf/kDrm+tqPPH5MzHcDkuey6LHQCyqDRGLE2biS+syNr5Ds82juz9abPyZk=

Qualquer pessoa, mesmo que não seja moradora da ilha, consegue verificar matematicamente através dessa assinatura digital que eu ainda possuo acesso a esse endereço por pelo menos até agora, dia 23 de maio de 2015 às 00:51 BRT.

► Como novas áreas são descobertas ou exploradas?

Como atualmente (maio/2015) ainda há cerca de 44% de área inexplorada, ou aprox. 7 milhões de km², a ilha atrai a atenção de cada vez mais exploradores, caçadores de recompensa, que fazem buscas incansáveis por novas terras, sete dias por semana, 24h por dia.

Estima-se de forma bastante precisa que a ilha será totalmente explorada no ano de 2140. Mas em 2030 já terá sido descoberto 99% e em 2040 cerca de 99,8%.

by ivany86
by ivany86

Esses exploradores enfrentam perigos e muita dificuldade para desbravar essas novas terras, por isso atualmente somente profissionais muito capacitados e com muito investimento conseguem encontrar alguma coisa. Ao encontrá-las, alguns tomam posse e se mudam pra lá. Outros loteiam a área e repassam os pedaços para outros donos, como um antigo ou novo morador da ilha, por exemplo. Em troca da terra recém-descoberta, esses exploradores pedem alguma outra terra em outra ilha de sua preferência ou mesmo trocam por outros bens e serviços em geral.

Alguns exploradores sequer estão de fato interessados em morar na ilha Bitcoin, eles estão apenas interessados na recompensa, mas preferem a segurança e estabilidade de uma ilha mais antiga, como a ilha livre Ouro XAU, ou uma ilha comandada por uma organização criminosa, como a ilha Real, gerida pela máfia Vilma & corruptos ou a ilha Doleta, comandada pela máfia Ocama & aliados.

previsão de exploração da ilha em milhões de km² ao longo dos anos
previsão de exploração da ilha em milhões de km² ao longo dos anos

► Quem faz a segurança da ilha?

Esses exploradores são muitas vezes chamados de “mineradores”, uma referência aos exploradores de minérios. Eles são muito importantes para a ilha porque também fazem a segurança dela. Por se moverem rapidamente pela ilha em busca de novas terras, eles acabam afastando os piratas e ladrões. Eles também levam combustível (grandes baterias carregadas) para a engrenagem descentralizada da ilha, garantindo que a tecnologia intrínseca continue funcionando lindamente.

matrix01

Mas, e quando não existir mais terras a serem exploradas? Como será feita a segurança da ilha? Qual será o incentivo desses “seguranças” quando as terras se esgotarem? — Apesar de não existir um governo central, existe uma taxa colaborativa opcional que a maioria dos moradores da ilha contribuem para manter sua segurança intacta. Essa taxa é distribuída entre todos os exploradores. Toda vez que uma área de terra muda de dono, o dono anterior pode separar uma pequena (insignificante) sub-área para distribuir a todos os exploradores. Como uma pequena – porém suficiente – parte da ilha é bastante movimentada e troca de donos o tempo todo, as pequenas taxas opcionais somadas se tornam significantes e alimentam os exploradores, que também fazem a segurança da ilha.

► Quando a ilha foi descoberta?

Um mapa foi divulgado abertamente em novembro de 2008 com todas as instruções tecnológicas para a sua construção. É isso mesmo: a ilha não existia na natureza até então. Pra ser mais preciso, esse tipo de ilha, ilhas fabulosas com “poderes especiais”, simplesmente não existiam de nenhuma forma! Nenhuma delas. Apesar do mapa já estar divulgado, só em 2009 é que foi encontrada e construída a primeira ilha fabulosa, batizada então de a fabulosa ilha Bitcoin.

- the map
– the map

Foi Satoshi Nakamoto que descobriu como se chegar até ela e a construir sua engrenagem tecnológica, que tem se mostrado até então bastante eficiente, prática e com características incríveis que atraem muitos novos moradores o tempo todo.

Antes de 2009 não existia nenhuma ilha fabulosa. Apenas ilhas comuns e ultrapassadas, como a ilha livre Ouro XAU, ou ilhas dominadas por criminosos como as ilha Real e a ilha Doleta já citadas anteriormente.

► E quanto vale hoje o m² da ilha? E a ilha toda?

Não é possível determinar um valor exato porque as terras são negociadas num mercado livre 24/7 no mundo todo, em diversas exchanges que trocam áreas da ilha Bitcoin por áreas em outras ilhas, tudo de forma descentralizada. E, apesar da ilha Bitcoin ser visivelmente superior a qualquer outra ilha, a verdade é que as outras ilhas ainda são muito mais valorizadas.

bitcoin_treasure_chest

Pra você ter uma ideia, nesse exato momento, dia 23 de maio de 2015, 1 km² (1 BTC) ou 1 milhão de m² (1M bit) da ilha Bitcoin podem ser trocados por aprox. 760 m² da ilha Real (R$ 760,00), 240 m² da ilha Doleta (US$ 240,00) ou 6 mil m² da ilha Ouro XAU (6g). E para comparar o tamanho das ilhas, enquanto a ilha Bitcoin possui 21 milhões de km² (21M BTC), a ilha Real tem 3 milhões de km² (3T R$), a ilha Doleta 60 milhões de km² (60T US$) e a ilha Ouro XAU 1,5 milhão de km² (1,5M kg). — uma outra conta: hoje 1 m² da ilha Bitcoin vale aprox. 7,6 cm² (R$ 0,00076) da ilha Real.

Para facilitar a comparação – de forma bastante aproximada – hoje, 1% da ilha Bitcoin pode ser trocado por apenas 0,003520% da ilha Real, 0,000057% da ilha Doleta ou 0,000486% da ilha Ouro XAU. Teoricamente, toda a ilha Bitcoin hoje vale aprox. 0,3% da ilha Real, 0,0057% da ilha Doleta e 0,0486% da ilha Ouro XAU. Eu disse “teoricamente” porque nem toda a terra da ilha Bitcoin está a venda e nem todos os donos estão dispostos a vender ela pelo preço atual de mercado. Portanto, é muito provável que se alguém tentar comprar a ilha toda, o preço de mercado dispare a um valor exorbitante comparado ao atual e ninguém consiga de fato comprar todas as terras.

Esse valor baixo da terra frente a outras ilhas acontece hoje principalmente por dois motivos: 1) a ilha Bitcoin é extremamente nova, mata virgem, sem infra-estrutura nenhuma, portanto as pessoas em geral ainda não tem a confiança necessária para comprar terras ou se mudar de vez. Sem contar dos perigos inerentes de uma terra pouco explorada. Como foi descoberta apenas em 2009, e além de tudo possui uma tecnologia jamais vista anteriormente, é normal que desconfiem. Como dito na introdução, ainda muitos desinformados ou desonestos espalham mentiras sobre a ilha, criando lendas, mitos e dizendo que sua “magia” tecnológica é na verdade uma grande maldição. 2) suas terras ainda valem muito pouco. —  esse segundo fato é um problema do tipo “ovo galinha”. Pouca gente se arrisca a comprar terras porque seu valor de mercado ainda flutua consideravelmente. E o valor flutua assim porque poucas pessoas se arriscam a comprar e se manterem donas das terras por muito tempo.

valor do km² da ilha Bitcoin por m² da ilha Doleta (log)
valor do km² da ilha Bitcoin por m² da ilha Doleta (log)

Menos pessoas ainda se arriscam a se mudar para a ilha como eu fiz. Dessa forma, a ilha permanece ainda com pouca infra-estrutura, ou seja, sua tecnologia avançada ainda a torna difícil para pessoas comuns, fazendo com que ela seja atraída apenas por geeks em geral. Sua população atual é composta basicamente por desbravadores, nerds, tecnólogos e idealistas corajosos que procuram uma terra livre e futurista.

► Quando começaram a se mudar para a ilha e quem mora nela atualmente?

O primeiro morador da ilha, claro, foi Satoshi Nakamoto. Estima-se que ele seja dono de cerca de 1 milhão de km², desbravados por ele mesmo logo que se mudou pra cá, durante 2009 e 2010. As primeiras terras eram muito fáceis de serem exploradas. A dificuldade baixa atraiu outros curiosos já em 2010. Pessoas que se arriscaram a explorar a ilha também sem saber se iam receber alguma coisa em troca, ou se a ilha tinha mesmo algo de especial. Até meados de 2011, cerca de 28% das terras já haviam sido descobertas por verdadeiros corajosos, pioneiros e vanguardistas. Outras pessoas que chegaram nessa época conseguiram comprar grande quantidade de terra por preços realmente muito baixos. No início de 2011 apenas 1 m² da ilha Doleta podiam comprar 3 km² da ilha Bitcoin.

O mercado ainda subestimava – mais até do que hoje – o real potencial da ilha. Alguns donos originais, cansados de morar numa ilha pouco habitada, se desfizeram de milhares de kilômetros quadrados de terras por preços ridiculamente baratos. Alguns até doaram centenas de km², e num caso que acabou ficando famoso, há exatamente 5 anos atrás, um proprietário acabou trocando 10 mil km² de terra por uma pizza, no dia 22 de maio de 2010. Hoje 10 mil km² da ilha Bitcoin podem ser trocados por aprox. 214 mil pizzas.

BoOTdx-IQAAfp_E

► O que essa ilha tem de bom? Por que é bom morar aí? Quais são as vantagens e desvantagens em relação a outras ilhas?

É realmente muito bom morar na ilha Bitcoin, eu estou pessoalmente muito satisfeito, morando aqui desde 2012. Tenho também uma terrinha na ilha Real porque minha família toda e amigos moram lá, mas passo a maior parte do tempo aqui. Alguns amigos também tem algumas terras por aqui, mas poucos se aventuram em se mudar de vez.

Além de ter uma beleza incomparável e diversas características interessantes e “mágicas”, a ilha não pode – por sua natureza intrínseca – ser controlada por organizações de moral duvidosa como gangues estatais, piratas ou golpistas em geral. Liberdade e modernidade tecnológica são as duas principais motivações e razões para possuir terras aqui ou morar na ilha.

Mesmo sem governo ou controle central, as proteções de plasma, a segurança dos exploradores e a energia das engrenagens descentralizadas garantem de forma bem robusta o direito de propriedade de um indivíduo ou autorizados a um determinado pedaço de terra.

Pra exemplificar bem a vantagem de morar numa ilha livre, em 2014 foram confiscados 1,8 milhões de km² de terra na ilha Real. Além disso, essas ilhas estatais conseguem criar “papéis falsos”, ou seja, imprimem “vale terra” que na verdade não tem a terra verdadeira correspondente, inundado o mercado de “terras” que não podem ser trocadas por terras reais. Esse processo é chamado de “inflação”, e não ocorre na ilha Bitcoin porque as terras são de fato dos donos garantidos pela tecnologia da ilha e não por papéis falsos.

É verdade que ilhas livres como a Ouro XAU, além de também serem fisicamente muito bonitas, também tem quase todas as vantagens de liberdade da ilha Bitcoin e são muito mais tradicionais (tem milhares de anos de confiança). Não é a toa que as terras na ilha Ouro por exemplo valem cerca de 2056 vezes mais que as terras da ilha Bitcoin. Mas a ilha Bitcoin tem duas vantagens principais: 1) uma vantagem do momento, porém válida: ela ainda é muito subvalorizada, ou seja, muito barata e com um potencial enorme de valorização. 2) ela é muito mais moderna e tem propriedades muito mais interessantes que a ilha Ouro XAU, parecendo até uma “ilha mágica” se comparada lado a lado.

► Mas… Então a ilha está livre de piratas e golpistas?

Infelizmente, apesar de ter uma estrutura de segurança bastante sólida, a ilha Bitcoin não está livre de ataques externos. Um golpista pode, por exemplo, convencer alguém de entregar sua chave privada para que ele faça suas terras “multiplicarem”. Ou ainda simplesmente pedem para que o dono entregue a chave para que este guarde-a de forma “segura”. Por incrível que pareça, por puro desconhecimento, muita gente acaba caindo nesses golpes, entregando suas chaves a terceiros e perdendo tudo. Ou ainda, alguns piratas que rodeiam a ilha conseguem descobrir os esconderijos dessas chaves, quando elas são guardadas em forma digital sem a proteção adequada. Tendo acesso às chaves os piratas conseguem tomar a posse legítima da terra e não há controle central para que o dono original reclame ou desfaça a transação. Esse é um dos motivos pelos quais algumas pessoas ainda tem medo de se aventurarem na ilha Bitcoin.

by miusapictures
by miusapictures

Não é culpa da ilha em si, mas sim da dificuldade atual em se manipular a tecnologia de forma adequada. Porém, sua infra-estrutura está melhorando dia a dia, para minimizar esses tipos de golpes e enganos. Livres iniciativas estão trabalhando duro para criar mecanismos mais fáceis e seguros de armazenamento das chaves e proteção contra piratas, mantendo a beleza da descentralização. Muita gente também está trabalhando para abstrair cada vez mais essa tecnologia e deixar tudo muito mais acessível.

►Ah, mas e as ilhas ao redor? Não podem se sentir ameaçadas e atacarem a ilha Bitcoin? Não podem ver a ilha Bitcoin como uma forte concorrente e temer que suas terras se desvalorizem com o tempo frente às terras da ilha Bitcoin? Já que a melhor defesa é o ataque?

Bem, há três tipos de ilhas ao redor: outras ilhas fabulosas; as ilhas livres; e as ilhas dominadas por gangues estatais.

As ilhas fabulosas (as vezes chamadas de alt-ilhas ou crypto-ilhas), que surgiram apenas depois da ilha Bitcoin e copiam o mesmo modelo tecnológico, não tem poder monetário algum para um ataque efetivo. Algumas ilhas fabulosas foram criadas por verdadeiros golpistas que tomaram posse das terras originais, sem dar a menor chance para que outros a explorassem (pré-mineração). Outras ainda, apenas copiam a ilha Bitcoin sem nenhuma inovação real. Algumas poucas acrescentaram alguma novidade tecnológica legítima, mas por serem ainda mais recente que a já recente ilha Bitcoin não conseguem atrair um número mínimo de moradores para manter uma segurança mínima. E, se elas não tem poder monetário pra atacar a ilha Bitcoin, como elas atacam? Alguns moradores dessas outras ilhas fabulosas, com a esperança que suas terras se valorizem, atacam verbalmente espalhando a maior quantidade possível de mentiras e boatos por todos os lados. A única arma possível deles é a mentira.

Moradores de ilhas livres porém não fabulosas, como a ilha Ouro XAU, geralmente enxergam a ilha Bitcoin como uma grande aliada. São poucos os moradores de ilhas assim que fazem ataques verbais. A ilha Ouro XAU teria poder monetário suficiente para atrapalhar bastante a ilha Bitcoin, porém nunca existiu um real interesse nisso.

energy_shield_2

A maior ameaça à ilha Bitcoin são as ilhas riquíssimas dominadas por gangues estatais, como a ilha Real e a ilha Doleta. O ataque verbal de escravos lobotomizados são frequentes. Seus líderes também enviam espiões o tempo todo para vigiar. Apesar da ilha estar imune à invasão de fato e suas terras estarem bem protegidas, assim como a identidade dos donos, as ilhas criminosas ficam “investigando” e tentando associar os donos das terras aos moradores da ilha estatal, observando todas as transações públicas e seguindo as negociações com as terras na ilha estatal, que são fortemente regulamentadas e vigiadas. Quando conseguem ter alguma pista dos donos, tentam ligá-los a “crimes” sem vítimas, i.e., violações às leis rígidas da gangue controladora, criando motivos injustos para confiscar suas terras ou mesmo prender seus moradores. Dessa forma, moradores das ilhas estatais costumam também ficar com medo de se aventurarem na ilha Bitcoin e serem perseguidos. Perseguindo um a um, censurando, assustando e ameaçando é a forma mais eficiente que as ilhas estatais tem para atacar.

As ilhas estatais também podem usar sua força monetária para tentar afetar as engrenagens descentralizadas da ilha Bitcoin, porém até o momento a ilha não incomodou o bastante para esse tipo de ataque direto. Se um dia alguma ilha poderosa resolver atacar a ilha Bitcoin dessa forma, isso poderá gerar uma certa rebeldia dos moradores locais que possuem terra aqui, e as ilhas estatais não querem criar problemas com seus escravos já bem destrados. Por isso os líderes das ilhas estatais costumam fingir ainda uma posição neutra / cética publicamente.

► Qual é a população atual da ilha?

Estima-se que atualmente a ilha tenha cerca de 1 milhão de moradores, e isso vem crescendo de forma consistente dia a dia. 21 km² por pessoa em média. É claro que alguns moradores possuem centenas, milhares ou até milhões de km², enquanto outros possuem apenas alguns m². Cada um conseguiu as terras em momentos e de formas distintas, com investimentos diferentes. Uns compraram quando elas eram ainda muito mais baratas, ou exploraram elas quando ainda era fácil, bem lá no começo. Outros tiveram o azar de adquirirem a terra no fim de 2013 quando ocorreu um “boom”, uma verdadeira corrida às terras da ilha e seu valor por km² chegou a incríveis 3 mil m² da ilha Real (R$ 3.000,00). Desde esse “boom” as terras desvalorizaram aprox. 75% até hoje! Muita gente que se mudou para a ilha na empolgação do momento, sem saber muito bem do que se tratava, ou mesmo comprou grande quantidade de terra, acabou se desinteressando depois e vendendo as terras por um preço bem menor. Tudo por aqueles motivos que eu já expliquei anteriormente.

► Como é a sua vida na ilha, e o que pretende daqui pra frente?

Eu na ilha Bitcoin
Eu na ilha Bitcoin

A vida na ilha é ainda um pouco simples e solitária, mas pretendo morar aqui pro resto de minha vida. Com densidade de apenas 0,05 pessoas por km², dá impressão que a ilha ainda é inabitada. Só tem mato para todo lado. A maioria dos meus amigos e familiares ainda moram na ilha Real e ainda não conhecem aqui, ou não veem muita vantagem e/ou não tem a coragem suficiente para se mudarem pra cá. Muita coisa ainda não se acha aqui, e aí sou obrigado a comprar terras na ilha Real ou na ilha Doleta para então trocar por bens e serviços. Apesar de ter um valor real de mercado, muita gente sequer sabe que as terras da ilha Bitcoin tem algum valor e por isso não aceitam terras daqui em troca de nada.

E, apesar de ver minhas terras se desvalorizarem tanto de 2013 pra cá, eu nunca sequer pensei em desistir dessa fabulosa ilha ou “doar” minhas terras, porque assim como muitos outros entusiastas e desbravadores, estamos aqui por ideal de liberdade e pelo brilho nos olhos dessa “magia” tecnológica, não só pelo valor de mercado da terra. Essas mesmas pessoas que saíram correndo da ilha e deixaram tudo pra trás um dia voltarão, eu tenho certeza. Quando nós moradores construirmos, dia a dia, mais infra-estrutura, mais facilidades, e mais vias de acesso à ilha, tenho certeza que os olhos de quem deixou a ilha voltarão a brilhar como nunca. Quando as pessoas também começarem a sofrer mais com a tirania dos líderes criminosos das ilhas estatais, e começarem a reagir a essa violência diária sofrida (impostos / extorsão / coerção), tenho certeza que correrão para cá. E os moradores das velhas ilhas livres como a ilha Ouro XAU também migrarão pra cá pouco a pouco quando conseguirem ver as belezas e vantagens tecnológicas daqui.

Se pretender um dia se mudar pra cá, pode ter certeza que será muito bem recebido!

Seja bem vindo!

Felipe Micaroni Lalli